Fazendo a gulosa no cinemão porno

Quem aqui já foi no cinemão porno? Gente, pelo menos uma vez na vida tem que ir, é uma experiência que vale a pena, mesmo que você nunca mais queira voltar o que pode ser muito provável. Bem, a primeira vez que fui no cinemão, foi aquele da República, aqui no centro de São Paulo, ele é bem grande, tem subsolo, tem chapelaria, tem dois darkroons, o lugar é bem tenebroso, sujo, um cheiro de pó, banheiros imundos, mas isso tudo faz parte da atmosfera erótica do lugar, acho que se fosse diferente não teria graça, tem gente que sente tesão pelo sujo, afinal aprendemos que nossa prática sexual é suja, e tem gente que literalmente associa uma coisa com a outra. Sempre tem aquelas gulosas que não pode ver um barulho de punheta que se aproxima e quando você menos espera já está com a boca aberta engolindo qualquer pau que vê pela frente, ou melhor, que encontra porquê ver nesses lugares que geralmente são muito escuros, não é um forte. Deixei de ir nesses lugares faz tempo, ultimamente nem em sauna vou mais, prefiro lugares definitivamente limpos para as minhas práticas.

 

One comment

  1. Sou viciado em cine pornô,adoro aquela atmosfera de tesão q exala no salão e banheiros, tudo cheira a sexo, é uma deliciosa mistura de mofo, suor,porra,sebo,urina e fezes q me excita.amo ver homens se masturbando, se pegando,alguns chupando picas outros tomando no cu sem se importarem se o macho usa ou não preservativo, tudo isso entre gemidos e sussurros . Ali machos de todos os tipos, de todas as idades, de todas religiões,casados,solteiros, viúvos se entregam ao libidinoso ao profano e dão vazão as suas taras secretas protegidos pela escuridão. Foi dentro de um banheiro de rodoviária q perdi minhas preguinhas aos 13 anos pra um coroa 40tão q nunca tinha visto e nunca mais voltei a ve-lo mas até Hoje não esquecia seu rosto e todos os detalhes daqueles minutos maravilhosos q passamos trancados naquele fétido reservado.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*